Na creche, o que fazer na hora do choro?

Pode não parecer, mas a vida de uma criança até 3 anos tem uma porção de desafios e uma boa dose de estresse! Sem contar com a fala bem desenvolvida, os pequenos não têm muitas opções além das lágrimas, que podem acompanhar chorinhos sofridos ou mesmo choradeiras de assustar a vizinhança... Saiba Mais

Transforme sua compra em Doação

Grão da Vida fecha parceria com O Polen, uma plataforma que transforma sua compra em doação. Saiba Mais

XI Congresso SOBEI

Grão da Vida tem participação brilhante em Congresso da SOBEI... Saiba Mais

Projeto Pedagógico

Este documento visa aprofundar algumas concepções e formas de organização presentes nos Referenciais Nacionais de Educação Infantil, situar algumas propostas e descartar outras... Saiba Mais

Sobre nossa escola

“Na instituição de educação infantil, pode-se oferecer às crianças condições para as aprendizagens que ocorrem nas brincadeiras e aquelas advindas de situações pedagógicas intencionais ou aprendizagens orientadas pelos adultos... Saiba Mais

Biblioteca / voltar

“Saúde e Bem Estar na Educação Infantil”

Biblioteca/Notícias/Educação Infantil
30 de Outubro

Hoje nós estamos reunidos aqui para falar sobre “Saúde e Bem Estar na Educação Infantil, sem dúvida é um tema muito importante e não tão evidente, um pouco esquecido talvez, por-isso acreditamos que este encontro será rico para todos. O encontro e as trocas de experiência.

Eu gostaria de chamar atenção de vocês para o fato de que irão falar sobre Saúde e Bem Estar, duas pedagogas e uma psicóloga, e hoje isto é possível, sabem por quê? Porque este conceito se ampliou.

Segundo a professora Damaris Maranhão:

“Um ponto muito importante na reflexão é a organização das instituições de Educação Infantil hoje, é retomar a relação entre saúde, qualidade de vida e processos de aprendizagem e desenvolvimento da criança pequena...

Isso é reforçado por estudos recentes, que têm considerado as relações da saúde com a produção social e econômica da sociedade, articulando aspectos históricos, econômicos, sociais, culturais, biológicos, ambientais e psicológicos que configuram os modos e estilos de vida. Com isso as políticas públicas de saúde objetivam não apenas previnir e tratar doenças, mas promover a qualidade de vida.”

Gostaríamos de destacar também:

O conceito de Qualidade de Vida segundo a OMS:

“Qualidade de vida é definida pelos especialistas da Organização Mundial da Saúde como um conceito multidimensional dependente de uma percepção pessoal de bem estar psicofísico, possibilitado pelas condições ambientais, organização dos serviços e instituições, dos modos de vida e práticas culturais de cuidado pessoal.”

Segundo a Carta de Otawa, documento produzido na I Conferência Internacional de Saúde realizada no Canadá em 1986.

“A saúde é o maior recurso para o desenvolvimento social, econômico e pessoal, assim como uma importante dimensão da qualidade de vida. Fatores políticos, econômicos, sociais, culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem tanto favorecer como prejudicar a saúde. As ações de promoção da saúde. As ações de promoção da saúde objetivam, através da defesa da saúde, fazer com que as condições descritas sejam cada vez mais favoráveis.”

O que podemos observar é que a definição sobre o que envolve e promove a saúde se ampliou. Hoje não se considera SAÚDE apenas as doenças, suas possibilidades de cura e prevenção.

Hoje existe a consideração sobre a rede de relações em que um indivíduo ou uma população está inserido; nos aspectos biológicos, culturais, psíquicos e sociais - todos em relação, ou seja, se influenciando mutuamente.

A tentativa de apreensão desta complexidade é o que chamamos, hoje, de Qualidade de Vida, e temos a Saúde como um importante aspecto deste conceito mais abrangente.

Viemos contar um pouco da história de nossa experiência e tentar ilustrar a complexidade destas relações.

Descrição de Nossa Experiência

Quando cheguei à escola, no início de 2006, era comum ouvir as professoras contarem “casos” de crianças com problemas de relacionamento e disciplina. Um dos relatos mais marcantes refere-se a “Caio”, um menino de 6 anos, que em um, dos muitos “ataques que teve na escola”, chegou a destruir a sala da coordenadora porque desejava ir embora para sua casa e não podia. Ou mesmo de um grupo de  crianças que decidiram  jogar pedras nas educadoras que ousassem  se aproximar para retirá-las de  perto da horta da escola.

O fato é que o cotidiano na instituição era altamente sistematizado sob a forma de planejamentos, que encadeavam atividades formais de aprendizagem, na maior parte do período escolar. A maioria destas atividades se davam dentro de sala de aula, e o tempo no parque costumava ser de 35 min a 40 min.

Ao assumir a coordenação da escola, nas conversas com as educadoras de cada grupo etário, as orientações foram o seguinte:

. passar longos períodos no parque (até 2 horas),

. oferecer atividades às crianças ao longo deste período,

. as crianças não precisavam participar das atividades se não desejassem.

Já nos primeiros meses as educadoras passaram a comentar naturalmente a respeito das mudanças. As crianças já não brigavam tanto, não fugiam da sala no momento das  atividades, e se machucavam menos.

As mordidas, muito frequentes na faixa etária de 0 a 3 anos, também haviam diminuído bastante.

O grupo de crianças com dificuldades na adaptação, ou seja, extremamente retraídas e que chegam até a poder parar de brincar, ficando sempre junto às educadoras, também chegou a perto de zero.

Estes resultados foram expressivos e também se estenderam ao grupo de educadoras, que relataram se sentir mais próximas das crianças e mais tranqüilas para a realização do trabalho.

Foi interessante observar que esta simples forma de organização atravessou a escola, tocando diferentes instâncias.

Através do que foi vivido por nós e da potência do que pudemos observar, aprofundamos este trabalho, acompanhando suas implicações na possibilidade de desenvolvimento de nossas crianças e da instituição.

Sendo assim, ao final de 2006 criamos uma nova forma de organização,  para nosso cotidiano na escola,  porém intimamente  relacionada a nossa experiência de então:

OS Núcleos Coletivos para o Parque

Onde:

. uma forma de organização do cotidiano para o oferecimento de atividades,

. onde a maior parte das ações educativas é coletiva, já que as crianças de diferentes faixas etárias (um ano e um mês a três anos e 11 meses) passam mais tempo no parque juntas do que dentro de sala de aula,

. as atividades são oferecidas por temas, as crianças podem escolher participar ou não.

. são os temas: Artes, Intervenções e Materiais, Brincadeiras, Corpo e Histórias, Parlendas, Poesias, Adivinhas e etc

objetivos  gerais

. proporcionar diversas atividades e materiais de livre acesso às crianças de forma coletiva,

. respeitar o interesse e engajamento das crianças em relação as atividades oferecidas,

. proprocionar materiais e atividades que contribuam para o desenvolvimento integral das crianças, ou seja, nos aspectos  psicofísico e cognitivos,

. coletivizar nossas ações educativas dentro da escola.

..................................................................................................................

“As instituições de Educação Infantil que possibilitam às crianças interagir e ter acesso a aprendizagens significativas e cuidados profissionais de boa qualidade criam condições inegáveis de promoção do desenvolvimento integral e promovem relações saudáveis.”

GOMES MARANHÃO, Damaris. ANAIS DO I SEMINÁRIO NACIONAL: Currículo em Movimento - Perspectivas Atuais Belo Horizonte, novembro de 2010

Como nosso projeto institucional e pedagógico promove: saúde, qualidade de vida e aprendizagens

. a organização da rotina prevê liberdade e autonomia de escolha por parte das crianças,

. o oferecimento das atividades nos Núcleos Coletivos Para o Parque é rica nas possibilidades de atividades, na interação social e na liberdade  de escolha e autonomia,

. diminuição da conteção e controle, gera relações de convívio mais saudáveis  tanto para as crianças como para as educadoras,

. o educador  tem mais tempo para estar com as crianças, dar atenção e acolhimento, no ambiente coletivo, atender demandas individuais,

. as crianças tem a possibilidade de exploração, liberdade de escolha e autonomia,

. o brincar é respeitado em sua dimensão natural: quem brinca, escolhe do que brincar, com quem brincar e por quanto tempo desejar...

 . o não confinamento excessivo contribui para a saúde do sistema respiratório,

. poder conviver em um espaço grande, de terreno acidentado, rico em propostas, com a possibilidade de correr, pular, brincar contribui para o desenvolvimento motor das crianças,

. a intensa troca social, no convívio de diferentes faixas etárias, promove aprendizagens  entre pares, extremamente significativa para as crianças ...

Como a criança aprende sobre o cuidado de si ?

. sendo cuidado,

. recebendo atenção,

. sendo acolhido,

. sendo ajudado por parceiros mais competentes  em sua higiene pessoal (crianças mais velhas e educadoras)

. sendo ajudado em seu cuidado pessoal (aparência)

. vivenciando os hábitos de higiene em sua rotina...

Parceria com a Universidade UNISA-Enfermagem

Breve Descrição

A professora Damaris Maranhão vem semanalmente ao CEI Manoel Bispo dos Santos com seu grupo de alunos, para realizar o estágio  denominado consulta de enfermagem. Este estágio prevê examinar as crianças e de acordo com os procedimentos da enfermagem observar o seu desenvolvimento.

As educadoras, por sua vez, ao observarem seus alunos, muitas vezes manifestam o desejo de que esta criança passe pela consulta que o estágio oferece. É interessante observar que muitas vezes não é uma demanda física que as leva a procurar a Professora Damaris e seu grupo de alunos, muitas vezes é algo  relacionado ao comportamento que lhes chama atenção por algum motivo.

Após a consulta ser realizada, os alunos seguem fazendo uma pesquisa sobre as questões apresentadas por seus “pacientes” e elaboram uma devolutiva que é apresentada as educadoras, as gestoras da escola e algumas vezes aos pais. Quando se faz necessário, a depender das questões detectadas pelo grupo de alunos, articula-se um encaminhamento para algum serviço que possa cuidar mais profundamente da questão. Por exemplo:

. baixo peso - CREM

. suspeita de autismo - Lugar de Vida (USP)

Consideramos esta parceria muito rica e útil para a comunidade que atendemos.

Autoras:

Vera Christina Figueiredo é psicóloga,  trabalha há 18 anos com educação infantil, já foi educadora de sala, é educadora-formadora, desenvolveu o projeto Institucional e Pedagógico do Grão da Vida junto à sua equipe e faz a orientação do mesmo.

Nataly Medeiros Simões é pedagoga, trabalha há onze anos com educação infantil, foi educadora de sala, é educadora-formadora e também coordenadora pedagógica do CEI Marina Villares Novaes, pioneira na implementação do Projeto Grão da Vida nesta nova unidade.

Samanta Veiga é pedagoga, trabalha há 15 anos com Educação Infantil, foi educadora de sala, hoje é coordenadora de projetos do Grão da Vida, sendo responsável por diversas áreas de nossa atuação: comunicação e registro, pesquisa e formação de professores. É a orientadora pioneira na implementação do projeto Institucional e Pedagógico no CEI Marina Villares Novaes.

Jacira Rocha é pedagoga, trabalha há 9 anos com educação Infantil, foi educadora de sala. É educadora-formadora, especialista em cultura da infância e coordenadora pedagógica do CEI Manoel Bispo dos Santos, nossa primeira unidade.

Maricélia Rocha é pedagoga, trabalha há 15 anos com educação infantil, é educadora de sala, educadora-formadora, especialista em cultura da infância.

Carmem Lucia Matias é pedagoga, trabalha há 15 anos com educação infantil, é educadora de sala, educadora-formadora, especialista em cultura da infância.

Vera Christina Figueiredo
Educação Infantil

Acompanhe

Indique

Indique e compartilhe o site do Grão da Vida:


Destinatários:

Enviar